web_522 

Em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, o Forte Defensor Perpétuo de Paraty (Ibram/MinC) recebeu nesta sexta-feira (7/6) professores, alunos e funcionários de sete escolas da rede municipal, estadual e particular para a conclusão do projeto “Narrativa Oral: a fala que tece a escrita”.

Durante o encontro, foi aberta a exposição dos trabalhos produzidos nas escolas com panôs sobre lendas locais, painéis com personagens do folclore brasileiro e esculturas de sacis em papel machê. Pela manhã, 24 bordadeiros produziram desenhos com temas ligados à cidade de Paraty e ao folclore local e nacional. Esses trabalhos vão compor um panô que ficará exposto no Forte, junto com outros trabalhos produzidos nas escolas, até 30 de junho. Além disso, os bordadeiros voltarão a se encontrar semanalmente no Forte, em oficinas livres.

_DSC0447

_DSC0463

web_513web_469

Para o almoço, uma oficina de culinária típica, sob orientação do pescador Almir Tã, produziu o tradicional prato “azul marinho”, feito com o gonguito (uma espécie de bagre pequeno, normalmente descartado na pesca); bolinhos de farinha de milho e um encorpado café com caldo de cana.

Durante a tarde, os alunos participaram do lançamento do livro “Historim para você e para mim”, de Nian Freire, numa animada roda de conversa com o autor, mediada pelo também escritor Alexandre Pimentel.

O projeto “Narrativa Oral: a fala que tece a escrita” é desenvolvido desde janeiro pela Coordenação de Bibliotecas Escolares e Formação de Leitores, ligada à Secretaria Municipal de Educação. O projeto conta com o apoio do Setor Educativo do Museu Forte Defensor Perpétuo.

web_547

Anúncios