“Cada ano, o Grande Espírito desce através das mãos do homem, trazendo alma para os objetos, e nesses dias nos sentimos como no passado. Tupã rembiapo.”

Em 1997, um grupo de artistas que frequentava as aldeias indígenas de Paraty-RJ resolveram unir esforços para mostrar o trabalho das comunidades. Com a apresentação do Coral da Aldeia Araponga, dando um marco musical ao encontro que reunia artistas cesteiros das três comunidades indígenas da região (Araponga, Bracuí e Paraty Mirim), deram origem ao Ymaguaré, uma volta aos tempos antigos.

Desde então, esse encontro de artistas e artesãos vem se firmando como um diálogo atual sobre a problemática dos habitantes de Áreas de Proteção Ambiental e proximidades; como se enquadram neste mundo de economia globalizada e sobre como poderão se inserir no mercado atual sem abandonar sua cultura.

As falas dos antigos guarani trazem lembranças de um outro tempo, quando a caça era farta, as águas dos rios eram límpidas e o material para trançar e fazer as cestas “ajaka” crescia em abundância. Territórios generosos onde os guarani ficavam para viver seu “tekoa”, modo de ser autêntico. Ali podiam manter sua identidade étnica, em relação direta com a natureza e suas forças desafiadoras.

Os guarani e outros povos da Mata Atlântica se reúnem para continuar no fortalecimento de sua cultura e para salvar a relação com o passado. O aprendizado de tradição oral tem relação direta com a resistência linguística dos indígenas. O reconhecimento dos Mestres do Saber, todos eles já muito anciãos, é uma forte conexão entre os mais antigos e as gerações futuras. Os mestres continuam com a tradição artesanal, mas o costume está se perdendo tanto pela implementação de novos materiais como pelo impacto cultural.

Programação e premiação

O 14º Ymaguaré – Mitos e Lendas Indígenas, evento que reúne os guaranis e outros povos da Mata Atlântica, acontece de 9 a 11 de dezembro no Forte Defensor Perpétuo, em Paraty. Estão programados a exposição de fotografias e objetos “Tupâ Rembiapó”; a exibição do documentário de mesmo nome; apresentação com coral de Paraty-Mirim e Araponga; oficinas de cestaria, de dança e arco-e-flecha; e concursos de esculturas, cestaria indígena e tradicional (veja programação abaixo).

O concurso de cestaria tradicional (Viejo Award) tem o apoio do Poeh Center do Pueblo de Pojouaque, do Novo México (EUA). Serão distribuídos prêmios em dinheiro para cestaria indígena e esculturas de madeira entre as comunidades indígenas e tradicionais.

O Ymaguaré integra o calendário cultural de Paraty desde 2003. Em 2004, foi considerado um dos dez melhores projetos culturais do Estado de Rio de Janeiro no concurso “Cultura Nota 10″, promovido pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio em parceria com a Unesco.

O 14º Ymaguaré é realizado pela Associação Artística Cultural Nhandeva, este ano em parceria com o Museu Forte Defensor Perpétuo/Ibram. O evento conta com apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, da Prefeitura Municipal de Paraty, do Museu do Índio/Funai e do Iphan.

Programação

Dia 9

– 17h Abertura da exposição “Tupâ Rembiapó” com Coral de Paraty-mirim e Coquetel (comida tradicional e bebida); Lançamento do filme Tupâ Rembiapó.

Dia 10

– 10h às 12h Oficina de cestaria;

– 15h às 17h Oficinas de dança e arco-e-flecha;

– 17h Concursos de cestaria indígena, cestaria tradicional das comunidades e de esculturas guaranis; Coral de Araponga.

Dia 11

– 10h às 12h Oficina de cestaria.

Anúncios